Escrevo porque encontro nisso um prazer que não consigo traduzir. Não sou pretensiosa. Escrevo para mim, para que eu sinta a minha alma falando e cantando, às vezes chorando.
Clarice Lispector.  (via odeio-odiar-voce)

(Source: prestigiador)

Mas cara, não dá, eu e você, não dá. Como você ainda não percebeu isso? Vivemos discutindo, nunca conseguimos entrar em acordo, você me magoa e nem percebe, eu consigo te deixar bravo em questão de segundos, vivemos em uma eterna guerra, e eu desta vez só quero paz
But I still love you. (via sorriso-so-risos)
Só estou fazendo o que você fez comigo, não se assuste se doer. Machuca, eu sei, mas não mata.
Agora é a sua vez. (via sorriso-so-risos)

(Source: adesejar)

Eu sempre tento dizer á mim mesma que sou forte, que consigo superar, ignorar. Finjo não ver, não me importar, finjo não sentir. Eu vou levando assim, vou mentindo pra todos, mentindo pra mim mesma, mas tem uma hora, que parece que tudo aquilo que ignorei que fingi não me importar se junta, e é uma dor tão grande que se alastra no meu coração, fazendo eu me sentir fraca, inútil. Mas a verdade é que não é bem assim, eu sou forte, forte até demais. Mas chega uma hora que agente fecha os olhos pra tanta coisa, que não dá mais pra aguentar. Eu não choro por pequenos motivos, choro pelo acúmulo deles. Motivos que se juntam e arrancam meu coração de uma vez só, me fazendo incapaz até mesmo de tentar suportar a dor.
Jhennifer Werneck (via segredou)
Se for para me deslembrar ou desistir, por favor, me esqueça por completo, e não me dê mais nenhuma chance ou esperança. Porque eu não desisto fácil das pessoas, mas se as pessoas desistem de mim, do que adianta lutar por elas?
Jhennifer Werneck (via segredou)
Estou morta, mortinha, aquela sensação de achar que a vida é ruim ou que a vida é boa não existe mais, tudo se foi. Apenas estou aqui por estar, pode ser que amanhã ou depois, alguma coisa boa aconteça, mas não agora, não está acontecendo nada. Estou vazia, sem disposição, sem vontade, prazer ou amor. Tecnicamente, eu não estou aqui, só o meu corpo. A minha alma já foi, foi junto com minha paz, com meu espírito de vida. Não se preocupe, estou aqui em certas partes, não em tudo, alguma parte doida e sem sal de mim não se foi. Por esperança minha, um dia vou voltar à ser inteira, corpo e alma, um dia. Esperarei, enquanto eu espero, vou tentando estar viva, porque como eu disse, estou tecnicamente morta. Oca.
Ana Lua.  (via segredou)

(Source: florejaste)

Estou cansado dessa mesmice do dia a dia, da hipocrisia que nossos semelhantes exalam a cada frase dita mal o dia tendo começado - sendo eu um deles. Por mim eu ficava em casa, deitado em minha cama com uma boa garrafa de algo qualquer para molhar o bico; só não fico porque há de chegar o dia em que a preguiça me roubará os sonhos, a força para realizá-los. Tenho sonhos para concretizar, transformar em metas; sonhos inferiores a fama e fortuna; sonhos pequenos como realização pessoal e felicidade de fim de tarde, à noite, acompanhado, não dormir e acordar ao lado de quem me fez companhia nessa insônia. Deixo minha cama e enfrento esse mundo cheio de calamidades, rodeado por pessoas tão desinteressantes, pois no fundo ainda tenho fé que em meio a tantos humanos, resida um pouco de humanidade. Humanidade de saber respeitar, de entender que estamos abaixo da ordem natural, que uns virão, outros irão, é o normal de se acontecer. Humanidade que os animais parecem conhecer melhor, aquela que faz famílias firmes, nada desses abandonos que se vê nessas caixas coloridas que se tem hoje em dia; seja por qualquer motivo que for. Vou trabalhar, exalar mal humor, soltar sorrisos de vez em quando, em busca de alguém que encontre algo pelo qual lutar por trás desse casmurro que venho me transformando. Visto minha roupa de ser humano dia após dia pois há alguém lá fora que é para meu bico, que é a minha garrafa. Os problemas não se resolverão, sempre cá estiveram, sempre cá estarão, mas a preocupação com o que se tem de errado se amenizará. Vou viver com uma e somente uma pessoa e quando essa garrafa esvaziar-se, não será hora de arranjar outra na esquina por dinheiro, será minha vez de também esvaziar e da cama não levantar novamente. Findarão-se as diversões vazias, as preocupações com uma sociedade que nem me diz respeito, as poesias bêbadas de fim de domingo. Só não findará a consciência de que algo está fora de lugar, não findará a poesia que luta, o engajamento. Alguém há de se tornar a garrafa e assim como eu, dar continuidade ao legado dos tolos. Legado dos que ainda acreditam que há muito a ser explorado, mas que não vivem no tempo em que esse potencial será alcançado.
 Charles Bukowski  (via segredou)
Sinto falta mesmo é de não sentir nada. Eu não sentia nada. Era tão bom.
Martha Medeiros.     (via sorriso-so-risos)

(Source: soucliche)